((((* "O QUE VEM SEMPRE ESTEVE AQUI, A PAZ ESTA DENTRO DE TI E SO VOCE PODE TOCALA, SER A PAZ SHANTINILAYA, NADA EXTERNO LHE MOSTRARA O QUE TU ES. NADA MORRE POR QUE NADA NASCEU, NADA SE DESLOCA PORQUE NADA PODE SE DESLOCAR VOCE SEMPRE ESTEVE NO CENTRO, NUNCA SE MOVEU , O SILÊNCIO DO MENTAL PERMITE QUE VOCÊ OUÇA TODAS AS RESPOSTAS" *)))): "ESSÊNCIAIS" "COLETÃNEAS " "HIERARQUIA" "PROTOCÓLOS" "VÍDEOS" "SUPER UNIVERSOS" "A ORIGEM" "SÉRIES" .

domingo, 17 de março de 2013

IRMÃO K - AUTRES DIMENSIONS REPOSTAGEM

***
IRMÃO K - AUTRES DIMENSIONS REPOSTAGEM

***

Eu sou Irmão K, Irmãos e Irmãs, encarnados na Humanidade, acolhamo-nos mutuamente, na Fusão dos Corações, antes que eu exprima aquilo que eu vim expor-vos.


… Compartilhamento do Dom da Graça …

A exposição que tenho a dar-vos inscreve-se no seguimento lógico do que eu pude exprimir relativamente à Liberdade e à Autonomia (ndr: ver em particular as intervenções de IRMÃO K de 18 fevereiro e de 17 março 2012, na seção «essenciais»).

Eu vou, portanto, propor-vos um olhar, um pouco diferente, sobre o que representa a Liberdade. Cada um de nós, ao encarnar, vai conceber e imaginar a liberdade em função da sua própria grelha de leitura. A liberdade, na vida comum (ordinária), é não mais ser constrangido por um elemento dito exterior a si, qualquer que seja esse elemento (seja ele representado por uma situação, por um Irmão ou uma Irmã, ou ainda por uma obrigação).

Aquele que não se coloca a questão da Liberdade (nas suas grandes linhas) está, por evidência, sujeito aos seus condicionamentos, aos seus autocondicionamentos e aos confinamentos criados pela consciência dissociada. Colocar-se a questão da Liberdade é, portanto, já considerar que pode existir uma possibilidade de outra coisa além do que é conhecido.


O conhecido (por definição) vos leva para noções de liberdade que são relativas. Quer isso esteja diretamente ligado às vossas atividades, e ao fato de poder privilegiar algumas, em detrimento de outras, a liberdade, tal como ela é concebida, num primeiro tempo, refere-se exclusivamente às circunstâncias da vida encarnada: sair do seu trabalho, sair da escola, liberta-se de um compromisso.


A liberdade é sempre concebida em relação a uma situação anterior e a uma situação posterior, onde o elemento que parecia privar de liberdade não está mais presente. Esta liberdade, refere-se, é claro, exclusivamente, ao relativo da personalidade.


A Liberdade de que vos quero falar é de um outro gênero porque esta Liberdade não depende do sentimento de estar privado de liberdade, neste mundo, em relação a um acontecimento ou a uma ação. A Liberdade de que vos quero falar é a da consciência.


O conjunto das regras deste mundo cria condicionamentos, regras, obrigações. No seio destes condicionamentos, destas regras, há a possibilidade de vislumbrar ou de reivindicar uma liberdade. A Liberdade de que eu falo não tem nada a ver com o conjunto das circunstâncias da vossa vida.


A Liberdade de que vos quero falar é a que se vive no seio da própria consciência, a partir do instante em que a consciência não se sente mais tributária dos limites, das regras, dos condicionamentos e das obrigações, criadas pela própria personalidade.

A Liberdade torna-se um problema fundamental que junta, de qualquer modo, a maturidade espiritual, ou seja, o momento em que se vai colocar o questionamento mesmo do sentido da vida, mesmo do sentido da encarnação. Questionamento do qual as respostas, levadas mesmo ao seio deste mundo, não encontram mais eco em vós.

Quer isso se refira às leis ditas de evolução, quer isso se refira ao carma, quer isso se refira às responsabilidades nas quais vocês estão comprometidos, uma libertação de qualquer um desses aspectos não vos torna Livres. O problema da Liberdade coloca-se, no momento da maturidade e da interrogação, não mais sobre o sentido da vida mas sobre o sentido do que é a Vida, fora, justamente, desta vida que é vivida.


Há, certamente, inúmeras liberdades. A Liberdade de que eu falo também não é, nem a liberdade de pensar, nem a liberdade de criar, mas antes, mais uma vez, a Liberdade da própria consciência.
Não pode existir Liberdade desde que exista um enquadramento.

Durante a nossa encarnação, nós estamos num enquadramento, cujos limites são naturalmente formados pelos limites deste corpo e a consciência subjacente (consciência deste corpo, como consciência da própria pessoa).


A questão da Liberdade surge, de maneira inevitável, no momento da maturidade e no momento em que as diferentes liberdades, vividas ou procuradas, não preenchem mais a consciência encarnada, e onde se coloca então, diretamente, ao nível da alma, a questão essencial de uma Liberdade incondicional (não dependendo justamente de nenhum compromisso, de nenhum pensamento e, sobretudo, de nenhuma circunstância).


Esta Liberdade não pode ser encontrada no seio da matéria, sendo a matéria baseada (quer isso seja nos objetos ou nas consciências) no princípio da delimitação, da separação e da distanciação. Desde que exista uma delimitação, um distanciamento, a liberdade não é senão uma ideia ou um pensamento.


A Verdadeira Liberdade não se pode conceber no seio de um mundo de Ação/Reação. A Liberdade apela à Graça, porque a Liberdade não pode estar, em caso algum, ligada a uma circunstância, a uma qualquer evolução que, por definição, é limitadora e confinante. Esta Liberdade não é, portanto, uma Liberdade que pode procurar-se, nem mesmo encontrar-se, e ainda menos concretizar-se, nas circunstâncias da própria vida, neste mundo.

A única Verdadeira Liberdade é aquela que se refere, exclusivamente, à consciência, e ao que vocês São, para além da consciência. Não pode haver Liberdade enquanto a consciência estiver constrangida ou fechada (no seio de uma circunstância, no seio de um corpo, no seio de uma relação).


A Liberdade não depende, portanto, absolutamente nada das privações de liberdade, das circunstâncias exteriores, nem mesmo da vossa liberdade ou capacidade de pensar Livremente, ou seja, libertos das crenças e do conhecido (mesmo se, não estar mais sujeito às crenças e ao conhecido, é uma etapa maior para a Liberdade). Isso não é suficiente (pela sua erradicação) para vos tornar Livres.


A Liberdade de que eu falo é, portanto, aquela da consciência que não está mais sujeita a um corpo, a uma função, a uma vida, a este mundo, ou ao que quer que seja que vos seja conhecido. A Liberdade cruza-se, portanto, com a maturidade e a Graça. Porque sem a Graça não há Liberdade. Esta Liberdade vai traduzir-se por uma ruptura. Uma ruptura de tudo o que é condicional e confinante.

Esta Liberdade, que não se refere senão à consciência (e não mais aos mecanismos do pensamento ou ainda aos mecanismos da vida, tal como nós todos os vivemos),
esta Liberdade está, certamente, religada à Autonomia, porque não pode existir Liberdade sem Autonomia (tendo o cuidado de não confundir a Autonomia com a recusa de uma das quaisquer circunstâncias da vida). Porque a Liberdade da qual eu falo não dependerá nunca de uma qualquer liberdade das circunstâncias deste mundo.

A Liberdade de que vos falo é bem aquela da consciência, Livre de todo o compromisso, Livre de toda a forma, Livre de toda a emoção, Livre de todo o mental e, eu diria mesmo, Livre de todo o condicionamento, assim como de toda a experiência. A Liberdade é um elemento que é onipresente, para aquele que é Absoluto, porque nenhuma circunstância deste mundo (seja ela a mais traumatizante, a mais invalidante) se refere a ela de forma nenhuma.


A Liberdade confere, com efeito, um certo distanciamento, real e objetivo, relativamente à liberdade desse corpo, na expressão dessa vida, na expressão das vossas relações e das vossas interações. Esta Liberdade não pode ser comparada (e não é mesmo, nem comparável, nem viável, como elemento de comparação) com a liberdade, no sentido comum, relativamente à libertação de uma submissão de uma obrigação (como eu disse), ou de uma circunstância, qualquer que ela seja.


A Liberdade de que eu falo não é, portanto, uma liberdade de pensar, nem mesmo uma liberdade de escolha, mas refere-se, exclusivamente, à própria consciência. Não pode haver Liberdade sem maturidade. Não pode Liberdade sem Autonomia. Não pode haver Liberdade sem a Graça. Porque tudo o que a personalidade chamar «liberdade», não se definirá, final e definitivamente, senão em relação a si mesmo, em relação a uma circunstância anterior (ou a uma circunstância posterior), em ressonância com uma mudança de vida (ou das próprias circunstâncias).

Eu diria mesmo que esta Liberdade (esta Liberdade da própria consciência) não tem nada a ver com as circunstâncias deste mundo, nem com as circunstâncias desta vida. A Liberdade faz-vos descobrir o Amor, não expresso através de um sentimento, não expresso através de um ideal, não expresso através de uma condição (mesmo denominando-o de incondicional).


Mas a Liberdade do Amor é tal que aquele que se instala na Vibração do Amor, através do conjunto dos elementos que vocês conhecem (como o Fogo do Coração, mas isso não é limitativo), desencadeia, no seio da consciência, uma Liberdade não comparável a nenhuma outra. Esta Liberdade leva-vos – de maneira abrupta e muitas vezes direta – a não mais se viverem, simplesmente, como a expressão de uma consciência, a não mais se viverem como, simplesmente, a expressão de uma encarnação, mas faz-vos perceber que tudo isso não é senão passageiro, não é senão efêmero e não se refere, em nada, ao que vocês São, na Verdade.

Certamente, viver e experimentar esta Liberdade, é colocar-se diretamente sob a sua égide. Esta Liberdade é Amor porque o Amor tem por natureza Ser a Liberdade.
Não pode haver Amor sem Liberdade. É neste sentido que o amor, empregue no sentido humano, conhece todas as limitações que todos nós conhecemos (quer isso seja através das palavras pronunciadas, quer isso seja através de uma relação corporal, afetiva, familiar ou outra).

A Liberdade não é, portanto, apenas escapar aos condicionamentos, não é, portanto, apenas considerar a
existência de uma prisão e sair da prisão. A Liberdade é bem mais do que isso: é o momento em que a consciência não está mais inferida (nem em desacordo) com uma qualquer circunstância de vossa vida (como da vida em geral).

A Liberdade cria, portanto, uma forma de distância. Mas esta distância é, simplesmente, uma mudança de profundidade, uma mudança de visão, uma mudança de percepção também, que não está submetida, nem sujeita a uma qualquer circunstância deste mundo.


A Liberdade de Ser (e a Liberdade do ser) vive-se a partir do instante em que certos estados da Consciência Última se manifestam. Ela é um mecanismo partindo, portanto, do interior mas cuja tradução, no seio do que eu denominaria o exterior (ou seja, as circunstâncias de vida), é mesmo a de os pacificar, de os transformar, sem nenhuma vontade própria, pessoal, sem nenhuma decisão.


A implementação da Liberdade não resulta, portanto, de uma escolha de vida (ainda menos das circunstâncias de vida). A implementação da Liberdade é independente do conjunto das circunstâncias prévias.


A Liberdade é não mais ser condicionado por um qualquer elemento conhecido, por um qualquer elemento de crença, por um qualquer elemento social ou afetivo. Isso não quer dizer, no entanto, renunciar a essas circunstâncias mas antes, vivê-las, de uma forma e por mecanismos profundamente diferentes do que eram antes.


A Liberdade rima também com o não-medo. Porque toda a expressão de medo não é senão uma privação de Liberdade (da Liberdade de que eu falo). Toda a manifestação de medo e toda a manifestação dos elementos pertencentes à consciência separada, não são senão freios à Liberdade. Mas não é suficiente, no entanto, remover os freios, para recuperar esta Liberdade.

A Liberdade está profundamente ligada, também, à noção de Sacrifício e de Ressurreição. Os Mundos Livres são Mundos onde não existe nenhuma regra, nenhuma pressão. Regras e pressões exprimem-se tanto no plano que vocês denominam material (daí, onde vocês estão), quanto as regras e as pressões se exercem sobre os estágios da própria consciência.


A Liberdade é, muito exatamente, o que vos vai ser proposto. Esta proposta pode parecer, num primeiro tempo, inadequada. Inadequada pelo fato da existência das crenças, pelo fato da existência dos condicionamentos, do conjunto das circunstâncias da própria vida encarnada.


A Liberdade não se pode exprimir, de maneira exterior, porque a Liberdade é um estado Interior que, necessariamente, influi sobre o exterior, mas sem a intervenção de uma qualquer vontade ou de uma qualquer decisão.

Ser Livre não depende de nenhuma circunstância exterior. Ser Livre é, portanto, uma emancipação: uma emancipação do conjunto dos condicionamentos, uma emancipação do conjunto das crenças, uma emancipação do conjunto do que foi denominado «Linhas de Predação», tendo consciência que a Liberdade não se obtém por se subtrair desses elementos (nem mesmo de nenhuma lei) mas antes observando-os pelo que eles são (ndr: referência às «Linhas de Predação»), nesse olhar justo daquele que É Livre.

O conjunto das circunstâncias deste mundo não faz senão refletir, definitivamente, o medo da Liberdade. O medo é estruturante. O medo é confinante. O medo coloca limites. A Liberdade põe fim aos limites e, portanto, aos medos. Compreendam bem que esta Liberdade não é o resultado de uma ação, ainda menos de uma reação e, ainda menos, ação de uma vontade, visando modificar as circunstâncias exteriores.


A Liberdade de que eu falo não ocorre senão no momento, preciso, do que foi denominado a Transparência total. A Liberdade resulta da Humildade. A Liberdade resulta do apagamento (da eliminação). Este apagamento não é, em nenhum caso, (como eu disse), uma evasão das circunstâncias da vida, mas antes um mecanismo, muito mais sutil e Interior, relativo à própria consciência.


A Liberdade é também considerar, e viver, e realizar, que vocês não dependem de nenhuma circunstância de vida, como de nenhuma circunstância espiritual, para Ser Livre.
Enquanto existir uma crença de que vocês se vão Libertar e encontrar a Liberdade (por uma ação ou no seio das circunstâncias da vida, como no seio da vida denominada espiritual), vocês se enganam. A Liberdade nunca é um trabalho. A Liberdade nunca é uma ascese.

A Liberdade nunca é outra coisa senão uma renúncia ao efêmero, senão uma renúncia ao medo. Muitos ensinamentos insistiram no aspecto limitador do medo e no aspecto privador do medo, em relação à Liberdade.
O medo, qualquer que ele seja, não tem necessidade de ser combatido: ele tem simplesmente que ser olhado. É a atitude mais justa que vos permitirá descobrir a Liberdade ou, pelo menos, se colocarem a questão da Liberdade.

Enquanto esta questão não vos aparecer (e eu não vos falo, mais uma vez, das circunstâncias da vida encarnada), enquanto a Liberdade não vos chamar, no seio da vossa consciência, vocês não podem ter dela senão uma definição e uma aproximação condicionadas, eles mesmas, pela existência das condições deste mundo em que nós estivemos encarnados e onde vocês estão encarnados.


Os agentes da Liberdade e da Libertação são múltiplos. Alguns deles vos foram explicados. Eles representam os Elementos. A implantação destes Elementos (realizando a implantação do Coração Ascensional), a morte (o abate), de qualquer modo, das Linhas de Predação pessoais (pelo Abandono à Luz e o Abandono do Si), assim como a subida da Onda da Vida, são circunstâncias prévias à Liberdade (ndr: vocês encontrarão na seção
«protocolos a praticar» informações sobre os Elementos e a implantação do Coração Ascensional).

Mas, mesmos estas circunstâncias prévias (como eu o disse), enquanto circunstâncias espirituais, devem apagar-se, eles mesmas, na totalidade, para vos fazer descobrir o que vocês São, na Liberdade. A Liberdade não se pode resolver por uma modificação das circunstâncias exteriores, nem mesmo das circunstâncias Interiores, mesmo se certas circunstâncias Interiores vos chamem para viver sinais, de algum modo, do que acontece em vocês (como, por exemplo, a Última Presença).

A Liberdade é ver, claramente, o conjunto das circunstâncias, exteriores e Interiores, que podem vir travar a Liberdade. É ver claramente os prós e os contras (Interiores como exteriores) do que está em jogo em relação à Liberdade. Como eu disse, os elementos mais limitadores à vossa Liberdade serão sempre os medos. Quer esses medos se refiram ao Desconhecido futuro, quer esses medos se refiram a esse corpo, ou ainda a um dos elementos ou a uma das circunstâncias da vossa vida, eles alimentam todos a mesma coisa: o reforço do medo e a limitação da própria Liberdade.



Ser Livre é bem mais que a liberdade de pensar ou a liberdade de viajar nas outras Dimensões, conservando esse corpo. Ser Livre é não mais se submeter, de maneira nenhuma, à lei da Ação/Reação. Ser Livre é, bem evidentemente, não mais ser afetado, tanto por uma circunstância deste mundo, como por uma circunstância espiritual.

A Liberdade, enfim, põe fim, de maneira definitiva (se não era esse o caso anteriormente), ao conjunto das predações, ao conjunto dos confinamentos existentes antes da Liberdade. O simples fato de ver claramente as coisas, o simples fato de ver os mecanismos da consciência a trabalhar (quando ela está submetida ou quando ela é Livre) vos permite, claramente, identificar onde vocês estão relativamente à Liberdade.


A Liberdade vos conduz, portanto, a viver outra coisa. A Liberdade vos conduz a experimentar e a se instalarem, para além dos limites e contingências, tanto Interiores como exteriores. A Liberdade não se pode acompanhar de nenhuma pertença. Este sentimento de pertença desaparece, na totalidade, quando a Liberdade está aí, acompanhando-se, além disso, da Transparência mais total. Só a consciência que realizou isso está definitivamente Livre e Libertada.


A Liberdade não é mesmo função do que nós chamamos «a Libertação». A Liberdade é uma atitude, de qualquer modo, da consciência. A Libertação só vos dá a possibilidade de Ser, realmente, Livres. Mas, Ser realmente Livres, é não mais dar peso e consistência a outra coisa que não seja a própria Liberdade.
Eu dizia que o Amor é Liberdade porque o Amor não pode, justamente, se deixar fechar em nenhuma circunstância, em nenhuma ligação, em nenhuma falta, como em nenhuma plenitude.

Esta Liberdade está, certamente, ligada à Autonomia. Mas esta Liberdade é, antes de tudo, o desaparecimento, total, de todo o medo, no seio dos campos de expressão da consciência. Nesse momento o ser que vive isso, quer ele seja ainda tributário de um corpo (nas circunstâncias deste mundo), não tem que ser afetado pelas ditas circunstâncias.



Ser Livre é não mais ser condicionado e, sobretudo, não mais ser condicionável. Também não pode existir Liberdade enquanto em vocês existir o mínimo julgamento sobre as circunstâncias deste mundo. Toda a condenação, todo o julgamento, relativamente a uma circunstância (quer isso seja um acontecimento ou uma pessoa), vos afasta da Liberdade. Porque o julgamento, em si mesmo, traz nele os seus próprios ferros e o seu próprio confinamento.

Aquele que quer permanecer Livre, uma vez que ele encontrou a Liberdade, não se pode permitir exercer um qualquer julgamento, bem como uma qualquer discriminação, sobre as circunstâncias deste mundo como sobre as circunstâncias espirituais.
Aquele que vive a Liberdade não pode, portanto, de forma nenhuma, aprisionar (confinar) ninguém. Porque, a partir do instante em que existe uma predação ou uma sujeição de uma pessoa, qualquer que ela seja (mesmo a mais próxima de vocês), não há mais Liberdade.

E isso sente-se. Este sentir não é Vibratório. Ele não está ligado, por exemplo, a uma resposta do Coração ou a uma subida da Onda da Vida ou à percepção do Canal Mariano. É um Estado indizível, que se associa, frequentemente, à Morada da Paz Suprema. Mas uma Morada da Paz Suprema que não tem que ser vivida em Íntase ou em Êxtase mas que se exprime espontaneamente, quaisquer que sejam as circunstâncias da vossa vida.


Ser Livre não é uma reivindicação, nem um objetivo. A Liberdade vive-se, quaisquer que sejam as circunstâncias e quaisquer que sejam as condições desse corpo, como dos vossos pensamentos. A Liberdade é o elemento que vos dá a ver a realidade ilusória deste mundo, o peso do efêmero. A Liberdade vai aumentar a Alegria.

A Liberdade vai aumentar a Paz e a Tranquilidade. Não é uma Paz e uma Tranquilidade que seriam procuradas de maneira ativa, mas é antes uma Paz e uma Tranquilidade que se estabelecem em si mesmas, para aquele que se torna Livre. A Liberdade é acompanhada de um desaparecimento, puro e simples, dos pensamentos (salvo quando estes são, certamente, solicitados, pelas necessidades das circunstâncias da vida).


A Liberdade é, portanto, uma vacuidade (vazio). Ela não é mesmo uma expansão Dimensional, uma viagem em Estado de Ser ou uma instalação no Absoluto. A Liberdade é bem mais que um sentimento Interior. Ela é um Estado do Ser onde nenhuma sujeição se pode concretizar, onde nenhuma tomada de poder se pode manifestar (tanto num sentido como no outro).


A Liberdade, certamente, é fonte de Graça e de satisfação. Não de uma satisfação de um trabalho que tenha sido realizado mas, bem mais, a satisfação daquele que, enfim, se encontrou e reencontrou. A Liberdade é, enfim, Ligeireza, tanto em relação a esse corpo, como em relação às circunstâncias da vida.
Aquele que é Livre não pode mais ser afetado pelas circunstâncias duais, pelas manifestações de uma consciência confinada.

Aquele que é Livre não pode considerar restringir a Liberdade de ninguém. Isso poderia chamar-se um apagamento ou uma humildade. E é o caso. Porque aquele que é Livre não pode reivindicar nada, tanto no seio das circunstâncias deste mundo, como no seio das circunstâncias espirituais. A Liberdade basta-se a si mesma. Aquele que é Livre sabe-o. Aquele que é Livre vive-o. E esta Vida não é afetada pelas circunstâncias.

Colocar-se a questão da Liberdade deve fazer evitar a armadilha de pensar na Liberdade no seio deste mundo (como a liberdade de uso do tempo, a liberdade de fazer o que vocês querem).
A Liberdade de que eu falo não é uma liberdade de fazer mas antes uma Liberdade de Ser, para além de todo o fazer. Ser Livre é estar preenchido de Alegria, sem objeto, sem suporte e sem objetivo. A Liberdade não é uma demissão, exceto se for uma demissão da Ilusão. Não da Ilusão deste mundo mas das próprias ilusões Interiores relativas a este mundo.

A Libertação da Terra, vivida atualmente e em conformidade com o que anunciaram alguns Anciãos e, sobretudo, SERETI (ndr: sua intervenção de 30 setembro 2012, na seção «essenciais»), vos conduzem a viver, nos dias que vêm, esta Liberdade. Lembrem-se que a Liberdade é ausência de referências, ausência de limites e ausência de restrições, ausência de referenciamentos a uma experiência de vida, ausência de ligação com uma circunstância de vida (tanto Interior como exterior).

Quando a Liberdade se apresenta, vocês a vivem. Esta Liberdade não é o registro de uma interrogação sobre as circunstâncias, ou sobre «como melhor o que quer que seja». Porque a Liberdade é, ou não é. A Liberdade que é para viver é a do Coração e a da Luz. Ela não é tributária de nenhuma forma, de nenhuma lei. A Liberdade é a nossa Natureza e a nossa Manifestação, a nossa Essência, para além do que é limitado.


A Liberdade pode causar medo porque ela é acompanhada de um desaparecimento dos ditos limites e, portanto, mesmo das referências de vida, no momento em que ela é vivida. Ultrapassar este medo instala a Liberdade, de maneira definitiva. Esta Liberdade não apresenta nenhuma possibilidade de ser afetada pelas liberdades deste mundo (que eu descrevi). Viver a Liberdade e Ser Livre é qualquer coisa que é sentida, diretamente, na consciência. É o momento em que o verdadeiro sentido da Liberdade é realizado e vivido. Quer dizer que ela não depende, justamente, de nenhuma circunstância, tanto material como espiritual.


A Liberdade está, portanto, em muitos aspectos, sobreposta à Infinita Presença ou Última Presença. Aquele cuja consciência se queixa de uma falta de liberdade (quer essa falta de liberdade seja expressa em relação a uma outra pessoa, em relação a um uso de tempo, em relação a uma profissão), só traduz a ausência de Liberdade.
Porque aquele que é Livre não tem nada a ver, mesmo, com a privação de liberdade, a mais total, deste mundo.

A Liberdade é, portanto, totalmente independente de tudo o que vos é conhecido sobre este mundo e não tem nada a ver com a liberdade do tempo, ou a liberdade de um corpo em se mover. Nesta Liberdade, certamente, não pode existir o mínimo medo, relativo a esse corpo, como a um outro ser humano, ou ainda à própria sociedade. Isso não é, também, uma indiferença. Isso não é, também, uma rejeição.

Se colocar a questão desta Liberdade, e vivê-la, é seguramente o que se abre, em vocês, para muitos, através dos mecanismos particulares em que vos parece desaparecer, quer isso seja na percepção do corpo, quer isso seja na vossa própria consciência, quer isso seja de maneira inesperada, espontânea ou decidida, pela meditação ou pelo Alinhamento.


Descobrir a Liberdade é não mais ser afetado, é não mais ser sensível às circunstâncias. A Liberdade dissocia, portanto, de tudo o que pode constituir a consciência ordinária (vulgar). Ela cria (tanto na própria consciência, como no próprio corpo) uma Paz nova, uma Libertação nova, tanto do corpo como do pensamento.


Esta Liberdade não resulta nunca (como eu o disse) de uma procura, mas antes de uma cessação de procura. Como para o Absoluto, esta Liberdade resulta de uma forma de capitulação, capitulação do conjunto das circunstâncias deste mundo, quanto à sua compreensão, quanto à sua expressão, quanto à sua vivência. A Liberdade é o que é proposto pela Libertação. A Liberdade é o que é proposto pela Luz.

A Liberdade é da natureza do Amor e partilha, com o Amor, um certo número de manifestações. A Liberdade é um Dom da Graça. Este Dom da Graça tornou-se real e palpável pela dissolução dos medos (quer isso seja o resultado da Onda da Vida ou a Ação do Manto Azul da Graça), pelo Canal Mariano. Esta Liberdade é acompanhada de um estado de espírito que, para além do simples não julgamento e da não condenação (de uma circunstância ou de um ser), vai realmente acompanhar-se de uma percepção e de um sentimento, bem reais, de desaparecimento deste mundo: coisa que se produz em certos estados Interiores.


Viver o esquecimento de si, viver o esquecimento das suas próprias circunstâncias corporais e dos pensamentos, entreabrir a Porta da Liberdade e instalar-vos na Liberdade.
Enquanto existir, em vocês, a crença de que a Liberdade dependerá de um emprego de tempo, de uma circunstância espiritual ou material, vocês não podem Ser Livres. A Liberdade de que eu falo não é um acomodamento com as circunstâncias deste mundo ou com as circunstâncias da vossa vida.

A Liberdade é, enfim, Estar na Vida, para além da vossa vida e de toda a vida, sobre este mundo. Esta Liberdade não pode ser o resultado de uma qualquer oposição à vida habitual, porque enquanto vocês se opuserem, vocês não são Livres. A Liberdade não cria uma indiferença, (mesmo se não houver oposição), mas cria, realmente, um distanciamento, completo e real (afetivo, emocional e circunstancial), do que é vivido.


A desidentificação e a deslocalização da consciência são etapas importantes, prévias à Liberdade. Elas são, de qualquer modo, as premissas.
Assim que a Liberdade começa a aparecer, antes que ela se instale, pode haver uma ressurgência, uma acentuação, dos medos anteriores condicionantes, que não vos devem alarmar mas, simplesmente, ser olhados pelo que eles são: emoções que passam e pensamentos que passam.

A Liberdade não está preocupada com isso. A Liberdade está bastante mais próxima de vocês, o que quer que vocês façam, quando as circunstâncias deste mundo mudam de maneira abrupta. Um deslocamento de equilíbrio, qualquer que seja esse deslocamento de equilíbrio (quer ele esteja ligado a um dos Elementos, como ao próprio humano), é frequentemente um elemento salutar, fazendo aparecer a questão da Liberdade. É, em parte, o papel dos Elementos e dos Cavaleiros, em vocês, a partir de agora.  

Esta é uma forma de Passagem, que corresponde a uma metamorfose: coisa que será explicada, mais adiante, por ORIONIS, de retorno entre vós e entre nós (ndr: intervenção prevista nos próximos dias). Passado o instante da surpresa (representado pelos diferentes choques possíveis da Humanidade), o deslocamento do equilíbrio, realizado por este choque, pode conduzir a uma metamorfose vital e à instalação da Liberdade. É o objetivo.

As circunstâncias exteriores deste mundo são afetadas pelos Elementos, pela Luz Vibral, e os diferentes componentes da Luz, da mesma forma que há, em vocês, esta afetação que modifica o equilíbrio inicial. Este equilíbrio inicial se encontrará, portanto, deslocado, seja pela Liberdade, seja pelo medo. O resultado, é claro, é profundamente diferente.
É a vocês que pertence estarem vigilantes nestes momentos de choque, momentos em que os Cavaleiros agem (tanto exteriormente, como Interiormente). Desta vigilância, desta observação da vossa própria consciência, do aparecimento do medo, ou não, resultará a instalação da Liberdade (se isso já não foi feito).

Os Elementos (sobre os quais eu me exprimi) são talvez aplicáveis, para vocês, a partir de agora mas se tornarão imediatamente aplicáveis (se essa for a vossa escolha) assim que a Ação dos Cavaleiros, sobre a Terra, for massiva. Nestas circunstâncias (que não são mais função, somente, da vossa posição geográfica, porque a Ação dos Cavaleiros vai, num dado momento, referir-se ao conjunto da Terra, momento iminente), é através desta ação global que se realizará, em vocês, a Liberdade ou o medo.

Retenham bem, assim que estas circunstâncias vos forem propostas, não há senão duas escolhas: certas Estrelas vos falaram do medo ou do Amor, enquanto estado. Isso junta completamente o que foi dito (ndr: ver as intervenções de THERESA DE LISIEUX de 3 julho 2012 e de GEMMA GALGANI de 20 setembro 2012, na seção
«essenciais»).
A Liberdade é Amor. O medo não é senão a expressão da ausência de Liberdade. Coloquem-se, portanto, as boas questões. Coloquem-se, portanto, para observar, objetivamente, o que ocorre em vocês, ocorrerá em vocês.

Eu vos convido a fazer um paralelo entre o que eu disse sobre a Liberdade, neste dia, com o que eu disse, há algum tempo, relativamente à Autonomia e à Liberdade (ndr: suas intervenções de
1 abril e de 27 de novembro de 2011, na seção «essenciais»), o mesmo com o ensinamento das Estrelas, relativo ao medo e ao Amor. Rememorando o que foi dito (relendo-o), eu espero que vocês percebam a trama (cada vez mais visível, dito isto) do que ocorre, atualmente, tanto nas circunstâncias da Terra, como nas vossas circunstâncias Interiores
 
O que se passa fora, passa-se dentro. E o que se passa dentro, passa-se fora. Lembrem-se que a Liberdade e as circunstâncias da Liberdade, são afetadas pela vossa capacidade, maior ou menor, de estar na Paz e de estar Tranquilo. Eu termino aqui as palavras da minha intervenção e eu vos proponho, antes de vos deixar no vosso Alinhamento, um momento de Comunhão, de Graça e de Fusão.

… Compartilhamento do Dom da Graça …

Eu sou IRMÃO K e eu vos digo, até breve. Com todo o meu Amor.


Mensagem de
IRMÃO K no site francês:
http://www.autresdimensions.com/article.php?produit=1662

29 de outubro de 2012

(Publicado em 30 de outubro de 2012)
Tradução para o português:
Cris Marques e António Teixeira

VEJA TAMBÉM:


***
ORIGINAL EM FRANCÊS ABAIXO:
 
Frère K - 29 octobre 2012 DE Les Transformations NO Vimeo.


OUTROS VÍDEOS NA SEÇÃO: "VÍDEOS"

TODAS AS PUBLICAÇÕES POR INTERVENIENTES, ESTÃO NA SEÇÃO:
"ESSENCIAIS" .

OUTRAS COLETANEAS NA SEÇÃO: "COLETÃNEAS"
   


 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts with Thumbnails