((((* "O QUE VEM SEMPRE ESTEVE AQUI, A PAZ ESTA DENTRO DE TI E SO VOCE PODE TOCALA, SER A PAZ SHANTINILAYA, NADA EXTERNO LHE MOSTRARA O QUE TU ES. NADA MORRE POR QUE NADA NASCEU, NADA SE DESLOCA PORQUE NADA PODE SE DESLOCAR VOCE SEMPRE ESTEVE NO CENTRO, NUNCA SE MOVEU , O SILÊNCIO DO MENTAL PERMITE QUE VOCÊ OUÇA TODAS AS RESPOSTAS" *)))): "ESSÊNCIAIS" "COLETÃNEAS " "HIERARQUIA" "PROTOCÓLOS" "VÍDEOS" "SUPER UNIVERSOS" "A ORIGEM" "SÉRIES" .

terça-feira, 20 de novembro de 2012

IS-IS (MARIA) - 17-11-2012 - AUTRES DIMENSIONS

  Áudio em francês.

Eu sou MARIA, Rainha dos Céus e da Terra. Crianças bem amadas, eu tinha-vos dito: eu voltarei para vos ver, durante este período, a fim de vos permitir, se vocês o desejarem, se ajustarem, ao mais próximo, da vossa Eternidade.

Eu venho, antes de mais nada, marcar-vos um encontro. Um encontro em que (todos juntos, através da vossa consciência, através da Vibração, através da União, em Espírito) nos encontraremos, no primeiro dia do vosso mês de dezembro, à mesma hora, a fim de, durante uma hora, estarmos Unidos, em Espírito e em Verdade, a fim de abrir o mês deste ano, que termina o ano (ndr: o 1º de dezembro, das 14 às 15h [hora francesa (das 11 às 12h (BR) - horário de verão, das 13 às 14h (PT)].

Certamente, muitos entre vós vivem o que eu vou tentar explicar-vos. Bem para além das simples explicações relativamente aos Elementos, eu vou falar-vos de vocês, durante este período preparatório para o nosso encontro do 1º de dezembro.

Entre agora (e talvez já, desde há algum tempo) até essa data, muitas manifestações, que estão presentes em vocês, são chamadas a se amplificarem, a se desenvolverem e a se implantarem, dando-vos cada vez mais impressões e vivências que estão diretamente ligadas à Dimensão da Vida que se aproxima de vocês e que corresponde à vossa Eternidade.

Neste período, certamente, permanecer Tranquilo é essencial, mas eu vou tentar dar-vos a ver (e eu vos darei a palavra a seguir) não tanto os sintomas que vos preenchem e que vocês vivem, não tanto os sintomas e o que vive a Terra, mas sim o que corresponde a esta fase de transição, a esta fase intermediária, que vai levar-vos a conceber a Verdade do Espírito e a se instalarem, cada vez mais pacificamente, para além de todas as manifestações deste mundo e do vosso corpo, no que vocês São, nessa Morada da Paz Suprema que muitos de vocês abordaram ou viveram, e que outros ainda, entre vós, já instalaram, de maneira definitiva. Tudo isso resulta, por sua vez, da Fusão dos Elementos, do Reencontro com os Elementos celestes e Terrestres, futuros, e que estão, por agora e já, no plano do Éter, no plano etérico e num plano ainda sutil.

Esta fase é uma fase de transição. Certamente, há reajustamentos, tanto nos vossos corpos como sobre a Terra. Certas coisas antigas, em vocês, são chamadas a desaparecer porque elas já não servem mais para nada. Outras coisas aparecem porque elas fazem parte da Eternidade. No seio deste espaço, vocês podem viver isso com mais ou menos conforto, mais ou menos reticência, mais ou menos dúvida, ou mais ou menos Paz. Retenham que tudo não depende, sempre e cada vez mais, senão de vocês, ou seja, do lugar onde vocês, aí, Estão Presentes. Presentes a si mesmos, ou presentes a uma data ou a um futuro. Presentes a si mesmos, ou presente às interrogações deste mundo, nesta fase de transição.

O que quer que seja, vocês estão todos a viver os elementos que vos são próprios mas que traduzem, para vocês, uma maneira, especial e particular e individual, de se instalarem na Eternidade. Então, este período pede, da vossa parte, uma grande quietude e sobretudo para instalar, em vocês, os modos não reacionais a tudo o que pode acontecer, em vocês como no exterior de vocês. Esta fase em que os Elementos se reencontram, se fundem, se fusionam, para celebrar o Retorno do Éter e o Retorno da Unidade.

O Retorno a esta Eternidade passa-se mais ou menos facilmente, mais ou menos levemente, segundo, justamente, a vossa capacidade de não dar peso ao que já é pesado: na condição de se darem ao que é cada vez mais ligeiro, ou seja, o estado da vossa consciência, e não o estado da vossa vida, e ainda menos o estado do mundo.

As últimas zonas de resistência à Luz estão, de qualquer modo, em vias de se condensarem. Através disso, pode se dizer que a história Terrestre se repete, através do acontecimento de circunstâncias que favorecem quer a violência, quer a paz. Então, certamente, há guerra, há paz e, em vocês, também, se desenrola a mesma coisa. Quem é que ganha? Será a paz ou será a guerra? Isso não depende, certamente, dos vossos desejos, ainda menos do que se desenrola na vossa vida mas, verdadeiramente, da vossa atitude Interior.

Então, eu venho chamar-vos a cada vez mais atitude Interior, de benevolência, de neutralidade e de Paz. É durante este período que vai ser extremamente fácil (que nos vai levar até ao 1º de dezembro) quer instalarem-se na Paz, quer instalarem-se noutra coisa que não a Paz. Vocês têm toda a liberdade para decidir isso. São vocês que decidem, não reagindo, não se submetendo, mas colocando-se nesta benevolência daquele que observa o que se desenrola.

E o que se desenrola não é outra coisa senão uma transição, uma passagem de um plano a outro, de uma manifestação da vida a uma outra manifestação da Vida. De uma vida onde tudo estava limitado, tudo tinha sido pesado, para uma de ligeireza, independente mesmo de toda a circunstância deste mundo. Alguns de vocês já o vivem, através da modificação da vossa fisiologia, mas tudo isso foi explicado pelas minhas Irmãs, como HILDEGARDE ou ainda SNOW (ndr: ver as intervenções de HILDEGARDE DE BINGEN de 3 outubro 2012 e de SNOW de 19 agosto, 18 outubro e 1 novembro 2012).

Hoje, mais do que nunca, vocês estão convidados a se abençoarem, a se abençoarem na Paz, a se encontrarem na Paz e, também, a fazerem a paz com tudo o que toca a vossa consciência: quer isso sejam as vossas próprias cóleras, quer isso sejam as vossas próprias dores, quer isso sejam as vossas próprias interações, próximas ou mais distantes, no seio dos Irmãos e das Irmãs que participam da vossa vida, de uma maneira ou de outra. O tempo é de Paz. Eu diria, de outra forma, que o tempo é de reconciliação.

Então, é claro, nós sabemos pertinentemente, como vocês, que alguns Irmãos e algumas Irmãs não querem este novo mundo, esta nova Dimensão, e querem persistir no seio de leis de evolução, de leis de confinamento. É a sua Liberdade. Por isso, nós vos alertamos para levarem a vida, da forma mais adequada, neste período. O tempo das grandes mudanças chegou, finalmente, à vossa porta.

É claro que eu virei bater à vossa porta no momento adequado e vocês o sabem: eu vos disse e repeti ao longo destes anos. Tudo o que há a fazer é deixar vir o que vem. Tudo o que há a fazer é Ser. Ser e não dar peso e importância ao que se passa. E eu vos lembro que, mesmo se vocês forem afetados, nesse corpo, esse corpo passará. Eu vos lembro que se vocês forem afetados, em certas circunstâncias das vossas vidas, essas circunstâncias, elas também, passarão e muito mais depressa do que vocês poderiam esperar de uma ação da vossa pessoa.

Tudo o que se desenrola (mesmo que isso não vos pareça, num primeiro tempo) é assunto da Luz. É claro, não é a Luz que desencadeia as resistências mas, por vezes, a Luz pode amplificar as resistências. Então, apreendam isso, compreendam-no e aceitem que alguns Irmãos e Irmãs não têm ainda a possibilidade (quer isso seja próximo de vocês, como no outro extremo da Terra) de se darem conta ou de aceitarem o que se desenrola, neste mesmo momento. Isso será profundamente diferente dentro de poucos dias.

Então, nós vos convidamos, durante este período de transição, a permanecerem o mais Tranquilos possível. Façam o que vocês tiverem de fazer mas, ao nível do vosso espírito, permaneçam nesta neutralidade, nesta benevolência, nesta observação. Aproveitem os momentos em que nós vos chamamos, quer seja uma das minhas Irmãs, ou eu, ou ainda um dos Anciãos, ou ainda no momento em que a Luz se manifesta em vocês, para a acolher e a viver na maior Paz e serenidade.

Se vocês não constataram, ainda, suficientemente os efeitos da Luz, na vossa vida e no que vocês são, então deixem entrar ainda mais Luz. O que quer que seja que aconteça no vosso corpo, o que quer que seja que o vosso Coração tenha a viver, estejam certos (e seguros) que o que se desenrola não é senão a penetração, cada dia mais intensa, da Luz. O efeito do Éter da Terra, ao nível coletivo, a Merkabah Interdimensional coletiva e o Canal Mariano, todos estes elementos estão implementados e no lugar, doravante.

A minha Irmã SNOW vos explicou estas Implementações finais da Luz (ndr: ver em particular a intervenção de SNOW de 18 outubro de 2012). É exatamente o que se desenrola. E se compararmos isto a um nascimento, nós, mulheres, nós sabemos pertinentemente que o momento da entrega é aquele que ocorre antes do nascimento, propriamente dito, e o momento, por vezes, em que o mais intenso é vivido, por vezes, como um momento doloroso. Mas este momento doloroso dá rapidamente lugar a um sentimento de plenitude, assim que o nascimento ocorreu. Lembrem-se disso.

Então, o que quer que seja que a resistência à Luz manifeste, tanto em vocês como no mundo, sejam pacientes e sejam Humildes. Vocês não têm nenhum meio de agir sobre os Elementos, tanto em vocês como no planeta. Não serve de nada querer imaginar proteger tal zona, tal região, porque o que deve acontecer nessa região está também inscrito no Plano da Luz, o que quer que aconteça.

Se vocês chegarem a transcender e, de qualquer modo, a ultrapassar, a primeira impressão, as primeiras imagens, as primeiras emoções que podem se manifestar e se manifestarão em vocês, vocês verão que, por trás de toda essa agitação, toda essa aparência que vocês poderiam denominar desagradável ou caótica, se encontra a Paz da Eternidade. Não há outra coisa a fazer senão perceber isso. Não há outra coisa a fazer senão deixar Shantinilaya estabelecer-se, totalmente, em vocês. É desta forma que vocês contribuirão para deixar estabelecer-se o Reino da Luz que já está, eu vos lembro, realizado nas outras Dimensões.

A Terra junta-se à sua Dimensão de Eternidade. Vocês também. Isto se desenrola neste mesmo momento e apela-vos a viverem este período na maior das serenidades. Mesmo se a vossa personalidade se manifesta e vos manifesta sentimentos, quaisquer que eles sejam, esses sentimentos passarão. Eles não fazem parte do que vocês São, ou seja, a Morada da Paz Suprema.

Até uma certa altura, nós vos falamos de escolha entre o medo e o Amor. Agora, a escolha é mais entre Shantinilaya e cólera. Estes são, não duas emoções (mesmo se a cólera for uma emoção) mas dois estados: estado de resistência ou estado de Abandono. Quer dizer que o Abandono do Si (se ele não foi consciencializado e realizado) se realizará, eu diria, de qualquer modo, custe o que custar, o que quer que vocês pensem.

Está aí a maior das Liberdades. Cabe a vocês se determinarem. E esta determinação, ela vai-vos acompanhar, agora, até ao meu Anúncio. Quer isso seja na facilidade da Paz, da Morada da Paz Suprema, ou quer isso seja na cólera e na resistência, porque vocês têm, algures, em vocês, um sentimento, que emergiu, de não ter chegado aí. Mas eu vos asseguro: não há nenhum lugar onde chegar, há unicamente que Ser, e isso não necessita (vocês se apercebem, por si mesmos) de nenhuma deslocação, de nenhum movimento. Somente estar aí (quer seja estar Presente a si mesmo, ou seja estar estabelecido nesta Dissolução, ela mesma, da consciência) para beneficiar disso.

Pouco a pouco (e muito rapidamente, neste intervalo de tempo), o que apareceu (e que não faz senão aparecer), desaparecerá. O que apareceu (e que está instalado) e que deve ser e tornar-se, de qualquer modo, a vossa Eternidade, se instalará, independentemente do que vocês façam. Cabe a vocês saber onde vocês se colocam, porque as duas circunstâncias serão, durante este período, eu diria, concomitantes, elas também.

Vocês observarão uma grande diferença, sobre a Terra, entre os Irmãos e as Irmãs que escolheram e disseram «sim» à Luz, de maneira definitiva, e aqueles que, até ao presente, pensavam manipular e acomodar a Luz à sua maneira de ver. Mas lembrem-se que é a vossa Liberdade. Eu tenho, simplesmente, que vos dar estas informações. Elas vos chegarão, também, certamente, de múltiplas partes: tanto na vossa consciência, como, também, no que vos será dado a observar e a ver, em vocês, fora de vocês, e por todo o lado sobre a Terra.

O tempo do Apelo está muito próximo. Alguns de vocês, de fato, o pressentiram e já o viveram, à sua maneira. Quer isso seja o Apelo por uma Estrela, quer isso seja o Apelo por um Ancião mas, também, pela vossa capacidade de se extraírem de si mesmos, não por um ato de vontade mas, antes, pela capacidade, do Amor, de estabelecer esta Paz.

Assim, portanto, Shantinilaya resulta diretamente do vosso estado de Amor ou do vosso estado de cólera (que vos afasta). São vocês que se ajustam, agora, eu diria, em tempo real, como se não houvesse mais latência entre a vossa consciência e os acontecimentos (tanto acontecimentos Interiores como acontecimentos exteriores). Cabe a vocês ver, aí também. E cabe a vocês situarem-se no que se desenrola.

Este espaço de transição é muito particular porque ele tem, efetivamente, a percepção clara (e que será cada vez mais clara, para muito de vocês) de viver abrangendo duas realidades, abrangendo dois mundos. Ou dois mundos que se interpenetram e onde um dos quais vai, de maneira muito natural, pôr fim ao outro, sem nenhuma luta, sem nenhuma dificuldade, exceto para aquele que decidiu colocar-se sob a ação da resistência e da cólera.

Vocês não têm mais nada a fazer senão observar. Vocês não têm mais nada a fazer senão Amar, não como um ato de vontade, mas vivendo, realmente, a própria natureza do que vocês São que é Amor, Unidade, Felicidade e Morada da Paz Suprema. Vocês estarão, quer cada vez mais na Beatitude, quer cada vez mais na cólera. Mas isso não pede correção, nem num caso, nem no outro, mas, simplesmente, estar claro com estas duas sensações, estes dois estados e estas duas consciências.

São vocês que se posicionam, a vocês mesmos, segundo o que vocês São e segundo o que vocês Serão. Isso, agora, não poderá mais criar, muito rapidamente, mais nenhuma dúvida para vocês. As últimas dúvidas serão removidas. As últimas questões vão subir em vocês. Então, vocês estarão, na mesma, a beneficiar da integralidade da Luz. O que, antes, não eram ainda senão experiências ou estados transitórios, tornar-se-ão não mais uma experiência mas, cada vez mais, um estado permanente.

Então, eu vos convido a deixar a Luz agir porque o que age, de fato, é a vossa Eternidade que vem competir, se o podemos dizer, com o vosso efêmero. E isso não depende de forma nenhuma da vossa reação, mas mais da vossa capacidade de se situarem na beatitude ou na cólera. Isso vos aparecerá cada vez mais lucidamente.

Os sinais (se vocês os viveram, ao nível de manifestações do vosso corpo) podem amplificar-se, durante este período. Mas estejam certos que, no fim deste período, há a Paz e esta Paz está para além de tudo o que vocês puderam viver, até ao presente, como experiências, mesmo de Estado de Ser, mesmo de Comunhão ou de Fusão com um Duplo. Porque, aí, vocês encontram a integralidade, a totalidade da vossa herança.

É durante este período que se realiza, certamente, o Choque da Humanidade. Mas também, tudo o que deve desaparecer deve ser queimado no Fogo do Amor e no Sopro do Amor. E vocês, vocês estão aí: quer vocês tragam este Sopro e este Fogo, quer vocês resistam a este Sopro e a este Fogo. A vossa capacidade de Abandono vai, portanto, ser destacada e ela vai, portanto, ser-vos mostrada. Para alguns de vocês, a revelação das vossas Linhagens (quer isso seja pelos sonhos ou por revelações espontâneas) tomou uma certa acuidade.

Então, certamente, vocês apreendem perfeitamente que estes momentos estão para além de toda a análise, de toda a interpretação ou de toda a projeção. Lembrem-se que nesta fase de transição particular, só o Amor aclara, só o Amor coloca em Paz. E, para isso, não há mais nada a fazer senão deixar o Amor Ser. Deixar o Amor Ser é encontrar o que vocês São.

Não deixar o Amor Ser é continuar a manter a Ilusão: a ilusão do sofrimento, a ilusão da pessoa, a ilusão de um caminho ou de uma evolução. Mas, mais uma vez, vocês são Livres: Livres de se colocarem segundo as leis ditas de evolução, ou de se colocarem segundo a Lei da Eternidade que não tem nada a ver com uma qualquer eternidade. Isso vos foi explicado de forma, por vezes, forte, eu diria, por este interveniente que se manifestou, durante este ano, esse famoso BIDI (ndr: ver as suas intervenções na seção «Essenciais»). Mas eu vos lembro que vocês São todos, também, BIDI, que vocês São todos, também, o que eu Sou. Não se esqueçam disso.

Nos momentos em que se puder apresentar uma dificuldade, lembrem-se que não há que nadar contra a corrente. O que quer que vocês tenham a viver, é, muito precisamente, o que vocês têm para viver. Se o vosso corpo deve desaparecer, durante esta fase, ele desaparecerá mas, vocês, vocês não desaparecem. Se o vosso corpo deve estar em estado de Beatitude, vinte e quatro horas sobre vinte e quatro horas, então, ele estará. Porque, o que quer que seja que vocês tenham a viver, individualmente, vocês participam no Reino da Luz, mesmo se opondo a ele. É assim.

Lembrem-se que definitivamente, e no fim deste período de Transição, quando o meu Apelo tiver lugar, quando os mecanismos ligados à imobilidade da Terra e à vossa tiverem lugar, de forma síncrona, então, nesse momento, vocês serão todos Libertados.

E lembrem-se, mais uma vez, que não há estritamente nada a fazer, que não há estritamente nada a procurar, que não há estritamente nada a projetar ou a esperar numa qualquer data. Só simplesmente essa data que eu vos dei é um momento de Reunião Unitária, eu diria, não para alimentar uma qualquer egrégora, não para projetar um qualquer amor sobre tal região do planeta ou do vosso corpo mas, antes, para Viver o Amor (ndr: o 1º de dezembro das 14 às 15 h).

Se vocês viverem o Amor, nesse momento, se este período de Transição termina no Amor, para vocês, então, vocês verão, por si mesmos, que nada vos poderá abalar, que nada vos poderá fazer sair de Shantinilaya, e que vocês estarão estabelecidos, com força e vigor, nesta Humildade e nesta nova Dimensão de vida, independentemente do que se tornar este mundo durante este período. Porque eu não vos escondo que a aproximação da Radiação da Fonte, assim como a aproximação do que deve chegar ao vosso céu, tem já efeitos extremamente importantes, mesmo se isso não é visível aos vossos sentidos. Só o vosso sentir, em si mesmo, a vossa consciência, em si mesma, estão já impregnados.

Eu vos lembro que as primeiras descidas do Espírito Santo, sobre esta Terra, tiveram lugar, faz agora cerca de 30 anos, em agosto de 1984. Então, o conjunto dos Portais galácticos foram abertos, o conjunto das Portas do Sol e da Terra foram Libertados de toda a Predação. E vocês irão constatar os efeitos disso de maneira muito mais intensa do que o que foi observado até ao presente, tanto em vocês como sobre o conjunto do planeta.

O corpo da Terra vive a sua Ascensão. O vosso corpo, também, da mesma forma. Não esqueçam de seguir, tanto em vocês, como no que vos pede o vosso corpo, as linhas de menor resistência, porque é aí que está a Fluidez, é aí que está a Graça e é aí que está, sobretudo, a Verdade Eterna. Então, o que escolhem vocês, mais uma vez: A Verdade Eterna que vocês São ou a verdade efêmera que muda sem parar e que se tornará cada vez mais resistência? Quer isso se exprima no vosso corpo, na vossa consciência, ou quer isso se exprima na Beatitude da Morada da Paz Suprema, isso vai ser cada vez mais claro, em vocês. Observem, realmente, os vossos Irmãos e Irmãs, Abertos, que vos rodeiam: vocês constatarão isso com cada vez mais evidência e facilidade.

O que quer que seja, o nosso encontro do 1º de dezembro não é um encontro que eu vos dou, pessoalmente (mesmo sendo aquela que coordena, de qualquer modo, o Advento e o Retorno da Luz) mas, bem mais, a ação da própria Luz, nos seus diferentes componentes, quer eles sejam ao nível do Núcleo da Terra, de Sírius que está despertado, quer seja ao nível da vossa atmosfera ou das diferentes camadas isolantes que terminam neste mesmo momento.

Todas as modificações Elementares da Terra, todas as modificações e Fusões dos Elementos do céu, sobre esta Terra, são, muito exatamente, as provas que alguns de vocês aguardavam e esperavam. Estas provas, Interiores, antes de tudo, mas que estarão também em perfeita sincronicidade com o exterior. Como vos disse a minha Irmã SNOW: a Implantação final do Coração Ascensional vem preencher o conjunto dos vossos campos energéticos e Vibratórios (ndr: ver a seção «protocolos a praticar/ Implementação do Coração Ascensional»).

As vossas auras, se vocês preferirem, vão continuar a se expandir, durante este período. O Amor também. A Beatitude também. Então, não há escolha. A única escolha é a expansão ou contração: dilatação e Alegria, ou retração e cólera. Este é um elemento novo porque, até ao presente, nós vos falamos da incerteza ligada aos vossos medos. Isso não é mais o medo que está implementando, agora.

O Choque da Humanidade desenrola-se, em vocês, tanto na vossa carne como na carne da Terra. Isto se tornará, muito rapidamente, de uma evidência total para o conjunto da humanidade. Certamente, muitos dos vossos Irmãos e das vossas Irmãs, à vossa volta, vão colocar-se questões em relação a isto. Lembrem-se que não é nas palavras que vocês poderão satisfazer o que quer que seja de Eterno, mas na manifestação da vossa própria Eternidade: aquele com um Coração Amando, Pacificado, que vive esta Beatitude e que a Irradia, sem nada projetar, porque é um estado natural. Não se enganem com explicações para aqueles que virão. Não se enganem com justificação.

A Luz É, e vocês têm apenas que a Ser, a fim de, literalmente, alimentar os vossos Irmãos e as vossas Irmãs que se aproximarão, nesses momentos. A vossa Presença será, realmente, um bálsamo, para vocês mesmos como para o conjunto dos vossos Irmãos e das vossas Irmãs, em todo o planeta, mas também, sobretudo, nos vossos ambientes respectivos.

Eis o que eu tinha hoje para vos entregar e eu vos dou, é claro, de boa vontade, se forem precisos, para vocês, esclarecimentos complementares em relação a este período ou ao nosso encontro. Então, eu vos escuto, com Amor.

Questão: Quando nos sentimos feridos ou traídos, será melhor exprimi-lo (mesmo se isso revele cólera) ou será melhor não dizer nada?
Isso depende de onde tu Estás. Se tu Estás no Amor, então, como dizia o Mestre PHILIPPE, há pouco tempo: estende a outra face (ndr: intervenção de PHILIPE DE LYON de 10 novembro 2012). Isso é, para ti, a prova para mostrar onde está o teu Abandono.

Porque, o que é que pode ser ferido, ou traído, senão a personalidade? Aquele que está estabelecido na sua Presença, aquele que vive Shantinilaya, o Êxtase ou a Beatitude, como poderia, em qualquer modo que seja, sentir-se traído ou ferido? Somente a personalidade efêmera é traída ou ferida.

E como dizia, também, um dos Anciãos, há alguns anos: tenta, simplesmente, não reagir, no momento em que isso é vivido e percebido, e tu verás, por ti mesmo, que essa necessidade de reagir, ou de exprimir uma justiça, da personalidade, qualquer que ela seja, desaparecerá, por si só, e tu encontrarás ainda mais rapidamente a Paz que tu És (ndr: ver as intervenções de UM AMIGO de 20 e 27 novembro 2010).

Não é nunca reagindo a uma injustiça que tu permitirás à Eternidade instalar-se. Reagir à injustiça apenas mantém a própria existência da personalidade e da divisão. Mas eu te lembro que, jamais, o que tu És pode desaparecer, ou ser ferido, ou ser traído. E que se tu te sentires traído e magoado, isso mostra-te, a ti mesmo, onde tu te situas; e que se tu aceitares sair do local onde tu te situas, para deixar Ser a Luz, então, tu constatarás, rapidamente, que nada pode reagir e que nada pode ser ferido. Coisa que, é claro, não pode compreender a personalidade e o efêmero.

Eu vos lembro que este mundo está construído, para além da Ilusão, no princípio da ação/reação. Haverá sempre um Irmão ou uma Irmã que te trairá. Haverá sempre um Irmão ou uma Irmã (ou uma circunstância) que virá desafiar-te, em relação à tua Eternidade, até ao momento em que tu estejas, tu mesmo, certo e seguro (não no seio de uma crença, mas na tua vivência) de que tu És a Eternidade. Nesse momento, nada mais poderá vir prejudicar-te.

Questão: O que fazer quando se vivem momentos de estase, mas que não se tem nenhuma sensação, especialmente no Canal Mariano?
Meu filho, isso foi explicado, há pouco tempo, mais uma vez (ndr: intervenção de ANAEL de 10 novembro 2012). Então eu volto a afirmar. Foi-vos mostrado que existia, para além da consciência e do aspecto Vibratório de consciência, um estado onde não existe nenhuma percepção e onde, no entanto, como tu o dizes, se produz um estado de estase.

É, precisamente, o que te conduz à Infinita Presença, quando param todas as tuas percepções. Nesses momentos, se tu te Abandonares, na totalidade, então tu atravessarás a Porta da Última Presença e tu entrarás na tua própria Ressurreição. É tão simples quanto isso. O que não era possível, anteriormente, torna-se possível. Mesmo a cessação das manifestações da consciência conduzem-vos, muito facilmente, ao que BIDI nomeou a a-consciência. 

Questão: Ouvir-se chamar por um nome que não seja o seu nome de batismo, pode ser um Apelo de Maria?
Vocês todos têm um nome. Este nome é um nome de Eternidade. Não tem nada a ver com o nome de alma. É o nome que vocês têm para além de qualquer forma, desde a vossa aparição no seio de uma forma, qualquer que ela seja. É este nome que, de fato, pode ser pronunciado.

Questão: Ao ouvir o nome, eu senti uma pena branca na minha mão.
A nossa Presença, a nossa Infinita Presença, está muito perto da vossa Presença. Nós vos dissemos que, no Canal Mariano, nós poderíamos nos apresentar a vocês. Lembrem-se que para além da necessidade de significado, da necessidade de explicação, o mais importante será sempre o que é vivenciado, nesse momento, e que quem se coloca a questão será sempre o mental.

Nos outros Planos que vocês estão prestes a viver, é evidente que, quando vocês têm uma manifestação, não é senão o cérebro que está aí para tentar discriminar o que está bem, o que está mal, o que é útil, o que é inútil, ou qualquer outro aspecto de comparação; mas que o estabelecimento destes contatos, destas relações, destas Fusões, destas Comunhões ou o Encontro com o Duplo, ou ainda com os intervenientes dos Planos Multidimensionais, apenas vos reforça na vossa Multidimensionalidade.

É, precisamente, todo este aspecto transitório que vos deve manter Tranquilos, isto é, não procurar um sentido ou explicação, porque o sentido e a explicação virão por si mesmos, depois, e sem nenhuma utilidade da ferramenta do mental. A vivência Vibratória, ou a vivência do Encontro, em si mesma, qualquer que seja este Encontro (quer tu sejas acariciado na bochecha, quer sintas um arrepio sobre a tua cabeça, quer sintas uma Presença no teu quarto, quer sintas um Ser ao teu lado, ou que tu ouças o teu nome) representa apenas a nossa aproximação e o que nós denominamos (na falta de outro termo) a justaposição das Dimensões: esta era de transição, esta época de transição, muito curta, na qual vocês entram, de forma cada vez mais íntima.

Portanto, não procures o significado ou a explicação. Da mesma forma que, quando uma das tuas Linhagens te é revelada, o que é importante é o impacto sobre a consciência e isso instala os quatro Pilares do Coração, que permitem a Implantação do Coração Ascensional. Não há que procurar sentido ou significado. O interesse não é saber se tu tens uma Linhagem de Sírius mas, antes, viver os seus efeitos e a consequência.

E, quanto mais tu aceitares não buscar sentido ou significado, mais tu estarás instalado no tempo da tua vivência, no momento em que isso acontece, e mais tu descobrirás o Amor, mais tu descobrirás a Morada da Paz Suprema. Nunca nenhuma explicação irá satisfazer outra coisa senão o teu próprio mental. Como as minhas Irmãs vos disseram, assim como muitos Anciãos: nós poderíamos ter desenvolvido muito mais do que aquilo que nós vos demos, por exemplo, ao nível da anatomia sutil ou oculta (ou, em todo o caso, multidimensional) do que vocês São.

Nós demos-lhes os elementos importantes (e isso foi explicado) mas há muitas coisas que vocês sentem, que vocês vivem, sobre as quais nós não fomos mais longe nas explicações porque nós não julgamos, mas estimamos (através do que nós percebemos) que não era útil dar-vos o significado. Lembra-te que tu andas, mas não sabes quais os músculos, os nomes dos músculos que te permitem andar: no entanto, eles andam.

É o mesmo para a multidimensionalidade. A explicação e o sentido, o significado, estão sempre ligados, em definitivo, ao vosso modo de vida e de expressão no seio deste mundo de Dualidade, de ação/reação, do Bem e do Mal. Para além deste mundo, existe um outro mundo, no qual vocês entram, que não tem nada a ver com tudo isso. A Transcendência (ou, se vocês preferirem, o que foi chamado a espiritualização da matéria) é justamente isso: é deixar a Luz agir na matéria, é não se servir da matéria (e, portanto, do mental) para tentar compreender, explicar, capturar ou possuir, o que é Livre.

Questão: As pessoas que vivem o mesmo nível Vibratório podem igualmente entrar em ressonância, espontaneamente, ou também se entrechocarem?
Bem amado, tudo depende do que se exprime, nesse momento. Se houver reação, a personalidade vai assumir a liderança, em coisas às vezes insignificantes. É isso que é preciso ver nas ações.

E, justamente, se há afinidade Vibratória (e eu nem sequer falo dos Duplos, quaisquer que eles sejam), há a possibilidade de viver a Comunhão e a Fusão, quer vocês estejam um em frente ao outro, ou à distância. Assim, portanto, cabe a vocês ver o que vocês vivem. Vocês não podem estar próximos Vibracionalmente e se entre-chocarem. Isso não é possível. Ou então vocês caem, imediatamente, nas máscaras, nas aparências, nos combates, que nada têm a ver com Luz e Amor.

Portanto, se há Amor, se há Comunhão, se há Fusão, ou, eventualmente, se há neutralidade, então há Amor. Pelo contrário, se há cólera, se há o que tu denominas se entrechocar, isso reflete apenas que um, ou ambos, desceram, de qualquer modo, para o nível de expressão da personalidade. Isso nunca pode ser o caso para aquele que vive Shantinilaya ou que vive o Êxtase da Beatitude. É toda a diferença, também, entre o Abandono à Luz e o Abandono do Si.

O Abandono à Luz é ter deixado penetrar a Luz, ter visto e vivenciado o Si, mas usá-lo para algo diferente do que vocês São. E, claro, nesse momento, pode haver antagonismo, fricção, resistência, cólera. O que não é o caso para aquele que está instalado em Shantinilaya.

Certamente, eu te lembro que a personalidade encontrará sempre pretextos (como numa das questões anteriores, por exemplo) para expressar os seus sentimentos e, portanto, para exercer (mesmo se esta confrontação não for violenta, aparentemente) a necessidade de existir, isto é, para afirmar a pessoa, para afirmar uma ferida, para afirmar uma traição, que não existe, definitivamente, eu te lembro, ao nível do que vocês São.

E a forma como tu próprio vês a cólera, o fato de se entrechocar, de viver isso, ou de Estar na Paz a mais total: toda a diferença está aí. Eu vos lembro (mesmo que o exemplo não seja, talvez, o mais adequado) que Joana d'Arc cantava na fogueira. Será que a personalidade pode cantar quando ela é submetida ao fogo real? Acho que não. Aquele que está realmente instalado em Shantinilaya (esta não é uma visão do espírito ou um discurso) é completamente independente do que acontece a esse corpo.

Ele habita-o, na totalidade, mas a espiritualização da carne teve lugar. Portanto, nesse momento, o que quer que aconteça a essa carne, isso não tem mais nenhuma importância. O corpo é o Templo, porque é nele que se realiza esta alquimia final. Mas o objetivo, certamente, é de não mais ser tributário (dependente) desse corpo, porque esse corpo está espiritualizado.

Então, como é que um corpo que está espiritualizado, ou em vias de o ser, poderia manifestar outra coisa que não o Amor? Mas, é claro, nós entendemos perfeitamente que para aquele que ainda expressa uma personalidade, não há solução. Mas a única solução, ela não está justamente no seio da personalidade. Mas, para isso, é preciso vivê-lo para o realizar.

Questão: Se, hoje, uma doença grave chegar ao nível do corpo, que será preciso fazer?
Eu não tenho resposta para te dar, porque isso só diz respeito a ti. Se o medo estiver presente, o que farás tu? Tu vais atirar-te nas mãos daqueles que te podem curar, curar esse corpo segundo as leis desse corpo. E vai ser a atitude certa. Mas nunca contes com ninguém para te dizer como fazer face a esse gênero de problema, porque isso só diz respeito a ti.

Então, é claro, pode ser adotada a opinião da ciência relativamente a esse corpo e, em seguida, adotar o que chamamos ações terapêuticas, por vezes muito duras. Mas cabe a vocês decidir. Cabe a vocês ver. São vocês que sabem onde vocês estão. Eu te lembro que, se tu És Absoluto, ou te confinas na Infinita Presença, não há nenhuma razão para que o que quer que seja que ocorra neste mundo, como na tua carne, possa afetar o que quer que seja do que tu És. Não é o mesmo, é claro, se tu estás ainda sob a influência da tua própria personalidade.

As leis do vosso mundo apelam à reação, quer seja indo ver o que vocês denominam um cirurgião, quer seja indo ver um médico, um curandeiro (ou qualquer outro). São vocês que são Livres, é o vosso corpo. Se vocês não têm confiança, o que vai acontecer? Então, vocês irão ver aqueles que vos vão operar e vos propor, justamente, explicações – quer estas explicações se refiram à fisiologia do corpo em si, como às explicações mais sutis ao nível dos diferentes corpos sutis. Mas tanto uma como outra são apenas verdades relativas que dizem respeito apenas ao efêmero e tudo depende, aí também, do posicionamento da tua consciência.

Em qualquer caso, nós não podemos chamá-los para irem para cuidados de rotina ou para cuidados que vocês denominam energéticos ou alternativos ou, ainda, dizer-vos para não fazer nada. São vocês que decidem o que vos coloca numa sensação de segurança: segurança ilusória da explicação ou da ação/reação? A segurança sutil do energético? Ou a segurança absoluta daquele que é Absoluto.

Nós não temos mais perguntas, nós lhe agradecemos.

Então, bem Amados Irmãos, Irmãs e Crianças (qualquer que seja o nome que vocês queiram que eu vos dê), vivamos, se vocês o quiserem, um momento que prenuncia, se vocês o desejarem, o nosso próximo encontro. Instalemo-nos, alguns minutos do vosso tempo, para além, justamente, do vosso tempo. Eu vos digo portanto: até daqui a duas semanas.

... Compartilhando o Dom da Graça ...

Eu sou Maria, Rainha do Céu e da Terra, e eu vos digo: até ao 1º de Dezembro. Até breve.

__________________________________________________

NDR :
A intervenção de MARIA terá, portanto, lugar no 1º de dezembro próximo, das 14 às 15h (das 11 às 12h (BR) - horário de verão, das 13 às 14h (PT)] , hora francesa do relógio. Nesse dia, uma jornada de canalização pública já está programada em Biarritz, esta intervenção se fará, portanto, em público, neste contexto (encontrarão todos os detalhes na rubrica «canalizações públicas»). No entanto, MARIA lembra que, para além da presença física, a conexão, em Espírito, a esta hora, qualquer que seja o local em que você esteja, permite viver os aspetcos Vibratórios que serão então propostos.

As horas indicadas correspondem à hora francesa do relógio. O link Décalage Horaire (http://www.lolo.free.fr/Divers/DecalageHoraire.html) vos permitirá conferir a vossa hora local.


Mensagem de IS-IS (MARIA) no site francês:
http://www.autresdimensions.com/article.php?produit=1694
17 de novembro de 2012 (Publicado em 18 de novembro de 2012)
Tradução para o português: Cris Marques e António Teixeira

F.D.U - http://fontedeunidade.blogspot.com.br/
http://a-casa-real-de-rigel.blogspot.com/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts with Thumbnails