((((* "O QUE VEM SEMPRE ESTEVE AQUI, A PAZ ESTA DENTRO DE TI E SO VOCE PODE TOCALA, SER A PAZ SHANTINILAYA, NADA EXTERNO LHE MOSTRARA O QUE TU ES. NADA MORRE POR QUE NADA NASCEU, NADA SE DESLOCA PORQUE NADA PODE SE DESLOCAR VOCE SEMPRE ESTEVE NO CENTRO, NUNCA SE MOVEU , O SILÊNCIO DO MENTAL PERMITE QUE VOCÊ OUÇA TODAS AS RESPOSTAS" *)))): "ESSÊNCIAIS" "COLETÃNEAS " "HIERARQUIA" "PROTOCÓLOS" "VÍDEOS" "SUPER UNIVERSOS" "A ORIGEM" "SÉRIES" .

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

DA DUALIDADE PARA A UNIDADE

DA DUALIDADE PARA A UNIDADE



Olá pessoal, vocês têm um tempo?

Vou tentar colocar em palavras escritas o quanto é difícil alguma forma de relacionamento entre as consciências que estão desenvolvendo a unidade com as que estão aprofundadas na dualidade. E o que vou tratar nada tem a ver com espiritualidade.

Para facilitar as compreensões, vou usar vários exemplos vividos diariamente aqui no MM. Alguns foram experienciados na área de comentários e outros por e-mails que recebemos.

Para começar, mais uma vez eu tenho que repetir algumas palavras que muitos já conhecem: Este espaço chamado Minha Mestria deve ser considerado como minha casa. Eu o criei, trabalhei muito duro nele, mantenho-o aberto a todos, nada cobro, nada vendo, não conduzo pessoas, quem vem a mim eu deixo claro que este caminho é cada um por Si e ponto final.

Então, em minha casa, mesmo aberta a todos, aqui eu falo o que eu quiser. Aqui eu publico o que eu quiser. Aqui eu posso, se me sentir incomodado, fechar as portas e mantê-las abertas somente aos meus convidados. E tudo isso, se eu quiser.

E cada um pode criar um blog e tomar as mesmas medidas, os mesmos cuidados, tomar a liberdade que quiser e desenvolver à sua maneira o espaço que você criou. Tudo isto é claro e inquestionável.

Nesta casa há vários cômodos e todos estão abertos para qualquer um que adentre-os sem qualquer necessidade de convite prévio.
Na cozinha por exemplo, qualquer um pode abrir a geladeira e comer à vontade. Depois de bem alimentado, qualquer um pode ir até ao meu quarto, deitar em minha cama e descansar bastante. Mas, alguns comem (lêem) tanto, mas tanto, que a congestão é uma realidade naquele guloso.

Este mesmo indivíduo, não satisfeito, continua deitado em minha cama sem sequer já ter dito um “oi” para o dono da casa. Mas a dor da congestão (reações às leituras) continua e o incomodado, sem a menor cerimônia e respeito, começa a vomitar (reclamar e questionar na área de comentários) em minha cama, continua vomitando pelo meu quarto, vai até a sala e intencionalmente defeca toda a sua essência. Diante de tanta sujeira feita somente pelo guloso, em momento algum ele reconhece a sua falta de educação para, razoavelmente, se comportar educadamente na casa dos outros. Pois com estes hábitos ditos normais por este tipo de gente, eles reclamam, xingam, questionam, desconfiam, acusam e julgam o dono da casa. Mesmo sem conhecê-lo.

Nesta casa o básico é a educação. Nesta casa não há um sistema democrático de livre manifestação, pois o seu dono está muito além deste limitado modo comportamental de mais de 2.600 anos, visto como único e moderno por seres que pouco conhecem sobre “liberdade”. Nesta casa, embora aberta a todos, ela tem como prioridade o desenvolvimento da consciência de unidade, então, o desfile de opiniões dualitárias são dispensados.

Depois de ter mostrado como esta casa funciona, agora eu os convido para assistir dois pequenos trechos de um filme australiano de 1997, chamado “Alien Visitor”:

Sinopse: "Um ser extraterrestre com aparência totalmente humana é teletransportado para a Terra acidentalmente, e encontra um homem que estava acampando. Após horas de conversa ele deve re-avaliar todas as suas certezas e crenças. São diálogos tão interessantes e inteligentes que te deixa a sensação de que a vida fora do planeta é uma coisa tão óbvia que não dá para entender por que muitos ainda não acreditam."





Estes vídeos facilitam bastante a visão de como é difícil conviver e até ajudar as consciências dualitárias. Eu estou na fase do desenvolvimento da paciência com os ignorantes. Eles se sentem “inteligentes”. Eles valorizam o intelecto desenvolvido neste mundo. Eles são tão cheios de questionamentos, que não percebem que uma afirmação de ignorância, ou seja, de pouco conhecimento, primeiro sobre si, e depois de como se relacionar civilizadamente. Seja com os animais, com o planeta e seu meio ambiente e, finalmente, com o seu semelhante.

A sua forma de amar é baseada na troca, na posse e no medo, e essa forma “amorosa” pode ser traduzida em ego-ísmo. Eles "educam" as suas crianças através das ameaças, chantagens e negociações. Ex: "Vem com a mamãe que eu te dou isso ou aquilo". "Pare de mexer nisso senão o bicho papão vai te pegar". "Coma tudinho que eu lhe dou um presente".
E assim os "monstrinhos inteligentes" de hoje foram “educados”.

E a amizade? Não existe alguma sem algum tipo de interesse. Aliás, amizade é algo de mundos incivilizados.

Ainda focando os exemplos ocorridos neste espaço, os seres dualitários “inteligentes”, têm pouca noção de respeito e educação. Pois eles acham que podem fazer aqui o mesmo que fazem com o planeta quando poluem o ar que é essencial às suas vidas. Eles contaminam a água que necessitam beber. Eles se matam com guerras, pois nem na pré história isso era tão gratuito. Eles são indiferentes aos animais confinando-os como bichinhos domésticos, comendo seu cadáver e mantende-os em cativeiros para os novos e mal educados ignorantes vê-los em jaulas. E o pior, eles são indiferentes aos da própria raça quando o mundo inteiro assiste pela TV, do conforto de seus lares, muitos morrendo de fome. E ninguém pode se esquivar de cada detalhe mencionado neste texto. Este é um mundo construído por todo tipo de atrocidade que se pode imaginar, mas, sobretudo, pelas omissões de consciência dos seres que aqui habitam.

São os mesmos seres que dizem: “Eu não acredito nisto, eu não acredito naquilo”. E eu pergunto: Mas como pode alguém negar algo que não conhece? Negar sem fundamento é uma grande declaração de estupidez. O que mais vemos são eles usando as palavras sem o menor domínio sobre elas. E esta atitude é a maior prova que eles mesmos constroem contra si afirmando suas limitações.

Uma outra maneira que beira ao ridículo, é quando eles trazem questionamentos baseados em seus limitados conhecimentos. É lamentável presenciar isso. Eles se posicionam e não percebem o quanto estão se expondo.

Generalizar é uma das práticas mais comuns. Quando um destes não conhece algo, ele não percebe que se sente inferiorizado por tal ignorância e a sua reação é a mais evidente: Dentro de seu conhecimento ele busca parâmetros para identificar o desconhecido. Uma vez não tendo, ele sente-se ameaçado e começa a sentir medo, mesmo que não perceba. Em seguida vem o nervosismo para não expor a própria ignorância e ele comete a burrice final: ele generaliza, ridiculariza o que lhe é desconhecido. Coitado, ele não percebe o quanto ele se denigre agindo assim.

Eu estou exagerando ou estou confirmando como eles funcionam? Eu escreveria milhares de linhas citando centenas de exemplos, inclusive os daqui ocorridos no MM. Mas vamos ao que interessa, pois cada um tem completa liberdade de assimilar ou descartar.

Para começar a aprender sobre as poucas coisas que mencionei nas linhas acima, antes de tudo eu aprendi a observar como eu funcionava como um bípede de 3DD (terceira dimensão dissociada). Pois só assim eu poderia compreender melhor como as pessoas da 3DD funcionam. Mas para começar a se compreender, é essencial o sentido e prática de uma palavrinha que muitos têm medo e aversão, ou melhor, as personalidades é que têm. Eu falo da HUMILDADE. É você com você na sua intimidade e mais ninguém. E humildade não pode ser confundida com humilhação, muito menos com passividade. A humildade é você se permitir a qualquer coisa sem a menor necessidade de demonstração externa. Mostrar-se humildade é uma grande hipocrisia. A humildade é um estado particular de ser, íntimo e em hipótese alguma pode haver alguma exteriorização.

Depois de aprendido isto, tudo tornou-se mais simples para reconhecer-me agindo na 3DD. Somente me reconhecendo, é que posso assimilar melhor o material que nos chega orientando sobre a unidade. A partir daí, tudo na dualidade fica bastante visível e até previsível. Sobretudo os comportamentos de manada da humanidade e suas práticas que os fazem ser reconhecidos nos multiversos como incivilizados.

Uma das primeiras providências é sair da manada. E isto não é uma decisão simples, há muitos degraus para esta auto-extração. Depois de extrair-se, e é uma luta diária, é manter-se o mínimo possível na dualidade. Pois esta consciência com base no egoísmo, só promove diversos graus de caos. Enquanto que a unidade, lhe promove a paz e a alegria. E quem experimenta o sabor desta liberdade, evita o máximo possível de conviver com consciências de 3DD.

Há, infelizmente, alguns que acompanharam este texto até aqui e ainda não compreenderam qual é a minha única intenção. Estas simples linhas são para mostrar-lhes que o que sinto está ao alcance de qualquer um. Elas são para reforçar que o material essencial a este desenvolvimento está aqui disponibilizado com total liberdade para todos os que realmente queiram se extrair da 3DD.

E aí, agora você tem um tempinho para você? Então assista este divertido vídeo com uma leve explicação sobre a humildade.



Todos aqueles que sentiram a Unidade, pelo menos uma vez, nenhum deles quer continuar neste mundo de escravidão, nesta prisão. Todos querem gritar por liberdade, querem fugir daqui, mas saibam que só existe um único caminho: é através do seu coração e em silêncio verbal e mental.

Eu desejo a Unidade para todos!

Anthonio Magalhães

http://minhamestria.blogspot.com/
http://a-casa-real-de-avyon.blogspot.com/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts with Thumbnails